domingo, 4 de dezembro de 2016



A ENERGIA ELÉTRICA EM MAUÉS
Uma história construída com energia
Celetramazon em 1967 - Foto: Arquivo pessoal de Alciney Pimentel

Eletrobras Distribuição Amazonas - dezembro de 2016 - Foto: Aldemir Bentes

Aldemir Bentes
Maués é uma pequena cidade do interior do Estado do Amazonas, distante (258 quilômetros, em linha reta) da capital Manaus, 18 horas de barco e 45 minutos de avião, fica localizada na zona do Médio Amazonas, situada à margem direita do Rio Maués Açu, chamado pelos habitantes de Rio Preto. Conhecida como “Terra do Guaraná” está a 25 metros de altitude (a sede) do nível do mar e possui uma área de 40.164 Km2. Dois distritos compõem o município: Osório da Fonseca (Paraná do Urariá de cima) e Repartimento (no rio Maués Açu).
A energia elétrica se inicia nos anos 50, quando o prefeito era José Baptista Michiles, Donga Michiles, em cuja gestão, adquiriu um gerador de baixa potência, servindo apenas uma parte da cidade que se limitava entre a Av. Dr. Pereira Barreto até a Rua Getúlio Vargas.
A usina era administrada pela prefeitura de Maués e operada pelos Srs. Jayme Benchaya, Guilherme Mc Comb e Antonio Oliveira (Carimã) e o fornecimento de Energia se limitava ao horário de 18 às 22h30min.
No governo de Danilo de Matos Areosa, em 1966, se iniciou a construção de uma usina de geração de energia elétrica em Maués que tinha como prefeito, Carlos José Esteves, sob a administração do Governo do Estado.
A Inauguração se deu no dia 13 de dezembro de 1967, com o nome de Centrais Elétricas do Estado do Amazonas – CELETRAMAZON.
A usina e o escritório foram edificados na Rua Batista Michiles, onde antes, era guaranazal e roça de mandioca. Até os dias atuais, a usina permanece no mesmo endereço, somente o escritório comercial que funciona na Rua Coronel Tito Leão, centro da cidade.
A usina iniciou suas atividades com o funcionamento de 03 Caldeiras da Marca Mernaque, de fabricação nacional, produzidas no Rio Grande do Sul, e a  madeira era a matéria prima para o funcionamento das caldeiras, criando mais uma fonte de renda para os habitantes do lugar.
Inicialmente, a usina possuía uma capacidade operacional de 375 kW, o suficiente para atender a população da cidade 24 horas.
Paralelo a construção da usina, construiu-se a rede de distribuição, com postes de madeira, espécie Acariquara, atendendo apenas 70% de domicílios da cidade, correspondendo a aproximadamente a umas 200 Unidades Consumidoras residenciais e comerciais.
A cobrança do consumo de energia era feito por meio de faturas, confeccionadas em Manaus e entregues nas residências e comércios da cidade.
O primeiro Agente da usina em Maués foi o senhor Pitágoras e os primeiros funcionários, entre administrativos e foguistas (o responsável pelo abastecimento de lenha na caldeira), foram:

terça-feira, 29 de novembro de 2016



JÚNIOR LEITE, PAULO SAID, SIMOCA E SIDNEY LEITE, NA MIRA DA JUSTIÇA ELEITORAL 
Sidney Leite, Júnior Leite e Paulo Said - denunciados pelo MPE (Foto de arquivo)

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PEDE A INSTAURAÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL , CASSAÇÃO DE SEUS REGISTROS DE CANDIDATURAS E SEUS DIPLOMAS E TORNÁ-LOS INELEGÍVEIS POR 08 ANOS A CONTAR DA ELEIÇÃO DE 2016
Aldemir Bentes
Maués – O ministério Público Eleitoral, sob o argumento de que os candidatos eleitos no pleito de 2016, Carlos Roberto de Oliveira (Jr. Leite), candidato ao cargo de prefeito de Maués, Paulo Cesar Leite Said, candidato a vice-prefeito de Maués, Simildo Antonio Cavalcante da Rocha, candidato a vereador e Sidney Ricardo de Oliveira Leite, secretário de Produção do Estado e deputado licenciado, cometeram abuso de poder econômico e abuso de poder político no pleito de outubro de 2016 no município de Maués.
Com farta documentação, 160 laudas, esses documentos foram juntados ao Processo Nr. 66525-2016.604.0005 – Ação de Investigação Judicial Eleitoral – AIJE, encaminhados a Justiça Eleitoral e aceita pela mesma neste dia 29/11/2016.
Dentre as denúncias, o MPE relata o uso de um helicóptero de Prefixo PP-AAN, utilizado para realizar propaganda política nas mais diversas comunidades do Município de Maués, inclusive na Comunidade indígena de Santa Maria do Manjuru, no Rio Urupadi e outras comunidades vizinhas onde realizaram campanha em favor dos candidatos investigados.
O MPE ouviu o piloto do Helicóptero, senhor Márcio Lima Souto da Silva que informou ter sido contratado pelo investigado e candidato ao cargo de prefeito de Maués, o senhor Carlos Roberto de Oliveira Júnior.

JÚNIOR LEITE TERIA PAGO R$ 3 mil reais a hora.

Relata o senhor Márcio, que o senhor Júnior Leite, contratou a aeronave pelo período entre o dia 28 de agosto de 2016 até o dia 01 de outubro de 2016, cujas horas de vôos diários, foram fixados em até 05 horas, ao preço de R$ 3 mil reais cada hora.
Fora o contrato relatado acima, outro vôo ocorreu no dia 30/07/2016, segundo o senhor Márcio e o valor acertado e pago foi de R$ 10.500,00. O calendário Eleitoral de 2016, determina que a propaganda eleitoral somente é permitida a partir do dia 16 de agosto de 2016, portando, o investigado cometeu ainda, propaganda eleitoral antecipada.
Veja o que diz a Lei.
16 de agosto terça-feira
(47 dias antes)
1. Data a partir da qual será permitida a propaganda eleitoral (Lei nº 9.504/1997, art. 36, caput).
2. Data a partir da qual os candidatos, os partidos ou as coligações podem fazer funcionar, das 8 às 22 horas, alto-falantes ou amplificadores de som, nas suas sedes ou em veículos (Lei nº 9.504/1997, art. 39, § 3º).
Dias: 05 – Horas diárias: 05 = 25 horas de vôo. 25 X R$ 3 mil reais =   75 mil reais + R$ 10.500,00 = R$ 85.500,00
O senhor Márcio relata ainda que, antes do helicóptero ser apreendido por determinação da Justiça Eleitoral de Maués, nos autos da AIJE Nr. 38554-2016.005, a aeronave ainda levou o contratante e os outros investigados, a cerca de 12 a 15 outras comunidades rurais do município de Maués, o que demonstra, segundo o MPE, abuso de poder político, por se fazerem acompanhar, do tio do contratante que é Secretário de Estado, além do abuso de poder econômico por conta de utilização de meio de transporte que implica em “vultuosa despesa que afeta direta e indiretamente a normalidade e legitimidade do pleito, em afronta direta ao artigo 14 § 9°, da CF e art. 22, XVI, da Lei Complementar n°. 64/90, além de se desafiar o controle fiscalizatório do limite previsto na legislação de regência para eleição municipal a ser analisada nas prestações de contas junto a Justiça Eleitoral”, descreve  a denúncia.
O que diz A Cosntituição Federal do Brasil.
CAPÍTULO IV -
DOS DIREITOS POLÍTICOS

Art. 14. A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante:
§ 9º Lei complementar estabelecerá outros casos de inelegibilidade e os prazos de sua cessação, a fim de proteger a probidade administrativa, a moralidade para exercício de mandato considerada vida pregressa do candidato, e a normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico ou o abuso do exercício de função, cargo ou emprego na administração direta ou indireta. (Redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 4, de 1994)
Lei de Inelegibilidade - Lei Complementar nº 64, de 18 de maio de 1990
Art. 22. Qualquer partido político, coligação, candidato ou Ministério Público Eleitoral poderá representar à Justiça Eleitoral, diretamente ao Corregedor - Geral ou Regional, relatando fatos e indicando provas, indícios e circunstâncias e pedir abertura de investigação judicial para apurar uso indevido, desvio ou abuso do poder econômico ou do poder de autoridade, ou utilização indevida de veículos ou meios de comunicação social, em benefício de candidato ou de partido político, obedecido o seguinte rito:
I - o Corregedor, que terá a s mesmas atribuições do Relator em processos judiciais, ao despachar a inicial, adotará as seguintes providências:
a) ordenará que se notifique o representado do conteúdo da petição, entregando – se - lhe a segunda via apresentada pelo representante com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 5 (cinco) dias, ofereça ampla defesa, juntada de documentos e rol de testemunhas, se cabível;
VI - nos 3 (três) dias subsequentes, o Corregedor procederá a todas as diligências que determinar, ex officio ou a requerimento das partes;
Com a aceitação do pedido pela justiça eleitoral, os envolvidos serão notificados e terão o prazo de 05 dias para apresentarem ampla defesa, com provas e testemunhas se assim desejarem.

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

JÚNIOR LEITE É O PREFEITO ELEITO DE MAUÉS





Aldemir Bentes

Maués – Júnior Leite, do PROS, é o novo prefeito eleito de Maués, com 9.262 votos, correspondente a 40,14% dos votos válidos.
O município possui 30.177 eleitores, destes, votaram 23.964, correspondendo a 79,57%, com abstenção de 6.153, correspondendo a 20,43%, brancos 140, correspondendo a 0,58% e nulos 748, correspondendo a 3,12%.
O resultado final ficou assim:
Júnior Leite – 9.262 (40,14%)
Alfredo Almeida – 6.866 (29,75%)
Padre Carlos Góes – 5.573 (24,15%) e
Belexo – 1.375 (5,98%)
Os vereadores eleitos foram:

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Reforma do Ensino Médio amplia carga e retira obrigatoriedade de quatro disciplinas

MUDANÇAS

Entre os conteúdos que deixam de ser obrigatórios, estão Sociologia, Filosofia, Artes, Educação Física.  Conteúdo flexibilizado será oferecido 22/09/2016 às 17:48 - Atualizado em 22/09/2016 às 19:14
Show temer12
Medida Provisória foi apresentada pelo presidente e será encaminhada ao Congresso Nacional (Foto: Valter Campanato / Ag Brasil)
Agência Brasil Brasília (DF)
O presidente Michel Temer assinou e vai encaminhar ainda hoje (22), ao Congresso Nacional, Medida Provisória (MP) para reestruturação do ensino médio que, quando aplicada, possibilitará que o aluno escolha diferentes trilhas de formação e formação técnica. O governo também anunciou plano de ampliar a educação integral a partir de 2017.
A intenção é que o ensino médio tenha, ao longo de três anos, metade da carga horária de conteúdo obrigatório, definido pela Base Nacional Comum Curricular – ainda em discussão. O restante do tempo deve ser flexibilizado a partir dos interesses do próprio aluno e das especificidades de cada rede de ensino no Brasil. Os alunos poderão escolher seguir algumas trajetórias: linguagens, matemática, ciências da natureza e ciências humanas.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Desvios na saúde bancavam ostentação de médico chefe de esquema, diz delegado

OPERAÇÃO MAUS CAMINHOS
Carros de luxo, imóveis e até jato estão entre os bens sequestrados. “Era algo cinematográfico, hollywoodiano”, diz superintendente da PF 20/09/2016 às 13:19 - Atualizado em 20/09/2016 às 13:37

Carros de luxo dos envolvidos na quadrilha estão na superintendência da PF no Amazonas (Foto: Aguilar Abecassis)
acritica.com Manaus (AM)
O superintendente da Polícia Federal no Amazonas, o delegado Marcelo Rezende afirmou, em entrevista coletiva realizada na manhã desta terça-feira, na sede da PF, em Manaus, que a Operação “Maus Caminhos” teve o objetivo de “estancar uma sangria que estava ocorrendo nos recursos públicos da saúde no Amazonas”.

As investigações da Operação, feitas em parceria com a Controladoria Geral da União e  a Receita Federal, detectaram um desvio de R$ 110 milhões nos recursos do Fundo Estadual de Saúde do Amazonas, quase metade do montante destinado ao fundo. Veículos de alto padrão, imóveis, jato e helicópteros estão entre os bens sequestrados pela operação.
“Fica muito claro que o grupo ostentava elevado padrão de luxo muito acima da realidade de qualquer brasileiro e brasileira. Quase que algo cinematográfico, hollywoodiano”, afirmou ele.
A investigação teve início em análise da CGU sobre concentração atípica de repasses do Fundo Estadual de Saúde à organização social Instituto Novos Caminhos (INC). Em dois anos, a entidade recebeu mais de R$ 276 milhões para administrar duas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), em Manaus e Tabatinga, e um centro de reabilitação para dependentes químicos, no município de Rio Preto da Eva.
De acordo com as investigações, o montante de dinheiro destinado às unidades administradas pelo INC eram superior ao do próprio Hospital Pronto-Socorro 28 de Agosto, que tem uma capacidade muito maior de atendimento.
“O 28 de Agosto tem, sozinho, oito vezes mais leitos que as duas unidades médicas e hospitalares. No entanto, recebeu menos da metade dos recursos destinados a essas duas unidades”, completou o superintendente Marcelo Rezende.
De acordo com a CGU, todas as  empresas investigadas são comandadas direta ou indiretamente pelo médico e empresário Mouhamad Moustafa. Para o coordenador da operação, delegado Alexandre Teixeira,  o dinheiro desviado serviu para manter o padrão de vida elevado do chefe da organização. “Estes recursos públicos foram destinados a sustentar uma vida de luxo e ostentação de um profissional que deveria prestar bons serviços à população, que ficou sem ter direito a serviços básicos de saúde”, afirmou ele.

Marcelo Borges de Souza, chefe da CGU Amazonas, afirmou que parte dos desvios era feito na contratação de lavagem de roupa hospitalar das unidades. “O Estado contrata o quilo da lavagem de roupa hospitalar a R$ 2,77. O Novos Caminhos pagava R$ 14 por um quilo. Nós estamos falando de toneladas de roupa lavadas”, detalhou ele, dizendo também que o INC contratava serviços das empresas Salvare, Simea e Total que sequer foram executados.
Foram cumpridos 13 mandados de prisão preventiva, quatro mandados de prisões temporárias, três mandados de condução coercitiva, 40 mandados de busca e apreensão, 24 de bloqueios de bens e 30 de sequestros de bens. As medidas aconteceram em residências e empresas nos municípios amazonenses de Manaus, Itacoatiara e Tabatinga, além das capitais Belo Horizonte, Brasília, Goiânia e São Paulo. Uma das empresas onde o dinheiro do rombo na saúde pública era lavado, segundo a PF, era a responsável por gerir a carreira de Wesley Safadão e outros astros da música popular.
Participaram da operação 185 policiais federais, 36 auditores da CGU e 50 auditores da Receita Federal.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Saúde do Amazonas está falida, afirma o senador Eduardo Braga

 
Senador Eduardo Braga (PMDB) - Foto de arquivo
Matéria enviada pela Assessoria do senador, via e-mail

O senador Eduardo Braga (PMDB/AM) criticou, nesta segunda-feira (19/09), a paralisia do Governo do Estado diante da falência da saúde. “A verdade é que o nosso sistema de saúde do estado está falido. Não tem remédio nem médico”, declarou o parlamentar em entrevista ao Portal do Holanda. “Das UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) que vieram os recursos para serem construídas, apenas uma foi concluída. Eu deixei quase 80% dela pronta”, acrescentou.

Ele lembrou a série de investimentos feitos na saúde durante os seus dois mandatos de governador, como a reforma e ampliação dos CAIMIs (Centros de Atenção ao Idoso) e dos CAICs (Centros de Atenção Integral à Criança), além da construção e modernização dos Serviços de Pronto Atendimento (SPAs), de Policlínicas e de prontos-socorros, como o Platão Araújo e o 28 de Agosto.

NOTA DE REPÚDIO AO SENHOR INTITULADO GILBERTO KARLOS



Eu, Aldemir Bentes, natural de Maués-AM, maior de idade, servidor público federal da Eletrobrás Distribuição Amazonas, ex-bancário do extinto BEA, administrador do Blog do Aldemir, com mais de UM MILHÃO e CENTO E CINQUENTA MIL ACESSOS, com participação de internautas do mundo inteiro, escritor, tenho um livro produzido artesanalmente, outro, aguardando correção e mais as centenas de Artigos e mais de duas mil postagens no Blog e no Facebook com quase cinco mil amigos (as), possuidor de CPF, RG, Título Eleitoral, Carteira de Motorista, morador desta cidade de Maués, sito a Rua dos Cuiabanos, 378 – Mário Fonseca, vem, através de seu BLOG e de seu perfil no Facebook, apresentar esta nota de repúdio, aos infelizes comentários do senhor que se intitula GILBERTO KARLOS.
Esse cidadão, não honra as calças que veste e nem tem a personalidade que um cidadão de verdade tem que possuir. É um falso moralista!!!
Tive a oportunidade de ler alguns comentários dele sobre a minha pessoa, sempre se referindo como “Esse Blogueiro”. Lia, mas, não respondia, pois as vezes, devemos nos calar.
Mas, ele continuou a tentar denegrir a minha imagem e honra, INSINUANDO, pois em Maués as pessoas que têm acesso a internet, sabem que sou conhecido como Aldemir do Blog, supondo (insinuando) que eu seria ou possuía um fake no Facebook. Fake é uma criação falsa, com dados falsos, usados por COVARDES e PEDÓFILOS, para se esconderem sua identidade e praticarem todo tipo de CRIME cibernético, assistimos a isso diariamente nos noticiários televisivos.
Pois bem, como ele continuou, eu o procurei, e lá em frente a praça da Matriz, batemos um papo civilizadamente e pedi a ele que fosse mais respeitoso, não somente comigo, mas, com as demais pessoas, notadamente o nosso prefeito Pe. Carlos Góes que ele o chama de “vigário”. Vigário, não no sentido da função exercida dentro da hierarquia da Igreja Católica, mas, no sentido pejorativo e dissimulado do termo, VIGARISTA.
Como eu não acesso as postagens desse senhor intitulado GILBERTO KARLOS, não uso o seu perfil para nada, nem para comentar e muito menos, para compartilhar, não sei o que ele posta, pois não me interessa as suas opiniões.
Para minha surpresa, agora a noite, fui informado que o citado senhor GILBERTO KARLOS, fez alguns comentários, no perfil do senhor Will Fernandes, insinuando “que o blogueiro era um covarde”, pois usava fake para expor suas opiniões e comentários.
Mesmo tentando ser pacífico, carrego em minhas veias, sangue e a minha honra eu a defendo com unhas e dentes, pois faço tudo para ERRAR MENOS e ACERTAR MAIS, pois sei que sou passivo de erros. Esqueci a educação e fui até a casa desse senhor que se intitula GILBERTO KARLOS e falei umas verdades para ele, lá em frente da casa dele.
Pois bem, o povo de Maués, que acessa a internet, sabe quem eu sou, sabe que eu JAMAIS fui covarde, enfrentei foi o sistema que agora quer retornar ao PODER....Eu sou homem, eu respeito as pessoas, as famílias...Eu não PRECISO me ESCONDER em perfis FALSOS eu dou a minha cara “a bofete” eu já enfrentei muitos problemas na minha vida e continuo DE PÉ... Pois tenho consciência do meu caráter e dos ensinamentos que recebi no seio de minha família...
Esse senhor que se intitula GILBERTO KARLOS, parece que não tem família, ele agride, mancha o nome das pessoas, como se essas, não tivessem seus pais, seus filhos, seus irmãos, suas esposas, suas irmãs, seus amigos e parentes...Para ele, somente ele é o CARA!!!!
Eu não sei o que causa nele, tanta revolta, tanto ódio no que se refere a minha pessoa...Rico não sou, trabalho, desde os 12 anos, todos os meus empregos de categoria, foram conseguidos através de concurso público...
Não parei no tempo, estudei, fiz faculdade, me formei em Letras, passei no concurso do IFAM na primeira fase, não fui fazer a segunda e fiquei de fora, fui aprovado no concurso da SEDUC, desisti, por achar que eu não seria um bom professor por falta de tempo.
Criei o Blog do Aldemir, hoje, é referência, tem credibilidade e ultrapassou mais de um milhão e cento e cinquenta e sete mil acessos e logo, chegará nos Hum milhão e cento e sessenta mil.
Não tenho riquezas materiais, mas, tudo que possuo, é fruto do meu trabalho e ajuda da minha família, apenas trabalho e como a maioria dos brasileiros, tenho minhas dificuldades de todas as ordens, não sou CORRUPTO, nunca me corrompi, não sou PROPINEIRO, sempre que posso, ajudo as pessoas sem pedir nada em troca, o exemplo, foi para esse mesmo senhor que se intitula GILBERTO KARLOS, eis o episódio.
Esse senhor, sabendo que tenho uma grande amizade e respeito pelo atual prefeito Padre Carlos Góes, meu amigo, o qual também, tenho o maior respeito e consideração, me procurou para que eu agendasse um encontro com o prefeito, pois precisava apresentar um Projeto sobre música.
Fiz a minha parte, intervir, e o prefeito o recebeu, lá no prédio da Prefeitura uma certa noite. O prefeito e esse senhor que se intitula GILBERTO KARLOS e após a conversa dos dois, o prefeito encarregou a sua irmã, Ruth Ana, para conduzir o diálogo e providenciar o que fosse possível para que o projeto apresentado por esse senhor que se intitula GILBERTO KARLOS fosse estudado para que se pudesse avaliar da sua aprovação ou não.
Fiz isso, o coloquei com o prefeito...Somente isso e jamais pedi nada em troca pelo feito. Pois o tempo passou e não sei e nem me interessa, o que aconteceu.
Certo dia, ele me parou e falou que a conversa não foi adiante...Bem, ficou nisso, pois quem decide se algo deve ou não ser feito, é o gestor e sua equipe, afinal, somos amigos, mas, não sou funcionário da prefeitura, assim, não tenho PODER de DECISÃO.
A partir de certa data, esse senhor que se intitula GILBERTO KARLOS, começou a postar um bocado de babozeiras, “atirando pra todo lado”, sempre usando palavras pífias, desconexas e esdrúxulas em suas postagens.
Com a proximidade das eleições, ele deu uma parada, mas, voltou com um grande ódio e sem medir as consequências, começou a tentar denegrir a honra e imagem de muitas pessoas e por último, meteu na cabeça que eu tenho ou sou um fake...
Senhor que se intitula GILBERTO KARLOS, o ônus da acusação, cabe ao acusador, este, tem que produzir PROVAS materiais para provar o que fala.
Se você é homem de fato, vamos a justiça, levo o meu notebook que uso para criar e publicar minhas postagens, tanto no Blog, quanto no Facebook e veremos se o tal ou tais fakes são acionados de minha máquina. Eu te desafio!
O senhor intitulado GILBERTO KARLOS topa fazermos a vistoria perante a justiça?
Peço desculpas de meus milhões de leitores pelo desabafo, mas, este repúdio estava entalado no meu íntimo de ser humano, aquele ser que AMA, mas tem também, a capacidade de se revoltar, se indignar com pessoas mesquinhas e indolentes como o citado senhor que se intitula GILBERTO KARLOS.
Para finalizar, peço a esse senhor, que use de sua mediocridade, com outros que se calam, comigo não, eu tenho limite de tolerância e jamais aceitarei ser destratado por um sujeito medíocre como é o senhor.
Maués, 19 de setembro de 2016 – segunda-feira – 21:50h

SIGA ESTE BLOG